“Bacalhau com todos, foi você que pediu?”

Quercus promove campanha de sensibilização para problemática da poluição por plástico, no Dia Internacional Sem Sacos de Plástico

 

Qualquer dia, no seu prato de “Bacalhau com todos” não faltarão pedaços de plástico, nomeadamente, de sacos de plástico que, ao degradar-se, se desfazem em fragmentos mais pequenos. Por isso e para assinalar o Dia Internacional Sem Sacos de Plástico (3 de Julho), a Quercus promove uma Campanha entitulada “Bacalhau com todos, foi você que pediu?” que, destinada às redes sociais, mostra o drama da poluição por plástico, um problema à escala global. Neste contexto, a Quercus faz ainda um apelo à total proibição da oferta de sacos de plástico e convida os consumidores a usarem o seu próprio saco reutilizável nas compras.

 

Video da Campanha disponível em:

https://vimeo.com/345676686

 

No arranque de 2015, a lei da reforma da fiscalidade verde introduziu uma taxa de 0,10€ por cada saco de asas em plástico, o que provocou uma forte mudança nos hábitos dos Portugueses que começaram a levar os seus sacos de casa e a reutilizá-los. Isto causou uma redução em cerca de 50% na compra de sacos de plástico nos supermercados.

 

Mas esta medida não é suficiente. Portugal precisa de proibir a oferta de sacos de plástico em todas as lojas de retalho para garantir a redução do seu uso e o aumento de sacos reutilizáveis, preferencialmente reciclados e recicláveis.

 

A utilização de materiais em plástico descartável e de curta utilização tem aumentado a um ritmo alucinante nas últimas décadas. Estima-se que a cada minuto se despeje no mar o equivalente a um camião cheio de lixo em plástico, onde se podem encontrar objetos tão diversos como garrafas de água e refrigerantes, copos, garfos, facas, pratos, colheres de café, cotonetes, sacos dos mais diversos tipos, redes de pesca, beatas, esferovite proveniente de embalagens e do setor da construção, entre tantos outros exemplos...

 

De facto, 80% destes materiais em plástico são resultado de produtos consumidos em terra, abandonados sem qualquer critério de seleção ou mesmo nas areias das praias...

 

Os números falam por si e são assustadores. A ONU estima que a cada ano sejam lançados para os oceanos 8 milhões de toneladas de plástico, o que levou esta organização a lançar campanhas para promover a preservação dos oceanos e da vida marinha para as gerações futuras, apelando à redução do uso de descartáveis e de outros materiais em utilizações supérfluas, como períodos festivos, onde a sua produção é elevada.

 

Se continuarmos assim, segundo a ONU, em 2050, haverá mais plástico do que peixe nos Oceanos, e o Homem não vai ficar imune a este desastre, pois acabará por absorver toda esta poluição através da sua alimentação, inclusive no seu prato de bacalhau.

 

 

Lisboa, 03 de Julho de 2019

 

A Direção Nacional da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza

 

 

Share

Quercus ANCN ® Todos os direitos reservados
Alojamento cedido por Iberweb