Dia Mundial dos Oceanos | 8 de junho

Quercus alerta que nos Oceanos há mais Lixo que Vida

 

“Fui confrontado com sinais de plástico, tão distantes de mim quanto a minha vista conseguia alcançar. Parecia inacreditável, mas nunca encontrei um lugar no meio do Oceano Pacifico, completamente limpo de plásticos. Passou uma semana, passámos a zona subtropical e a qualquer altura do dia os vestígios de plástico boiavam por todo o lado, desde garrafas, copos ou fragmentos diversos.”

 

Capitão Charles Moore

 

 

Este é o relato que o Capitão Charles Moore nos contou em conversa aberta e franca na sua última visita a Portugal. Quando em 1997 atravessavou o Pacífico Norte, estava longe de imaginar que se cruzaria no seu caminho com uma enorme mancha de lixo, uma verdadeira “ilha” de plástico.

 

Estima-se que a cada minuto se despeje no mar o equivalente a um camião cheio de lixo de plástico, onde se pode encontrar objectos tão diversos como garrafas de água e refrigerantes, copos, garfos, facas, pratos, colheres de café, cotonetes, sacos dos mais diversos tipos, redes de pesca, beatas, esferovite, entre tantos outros.

 

De facto, 80% destes materiais em plástico são resultado de produtos consumidos em terra, muitos abandonados fora de qualquer contentor, ou nas areias das praias, e voando até os rios e mares.

 

Os números falam por si e são assustadores - a ONU estima que a cada ano sejam lançados para os oceanos 8 milhões de toneladas de plástico, o que levou esta organização a lançar campanhas para promover a preservação dos oceanos e da vida marinha para as gerações futuras, apelando à redução do uso de descartáveis e de outros materiais em utilizações supérfluas como períodos festivos, onde a sua produção é elevada.

 

Esta realidade trouxe para a ribalta uma questão que estávamos longe de enfrentar - o plástico nos oceanos. Hoje, esta matéria é encarada como um problema global, com impactes ambientais, sociais e financeiros, e com múltiplas implicações para a sociedade e de resolução complexa.

 

O tempo que uma garrafa de plástico demora a decompor-se no mar corresponde a 450 anos e todos os anos são lançados nos oceanos cerca de 13 milhões de toneladas deste material. A cada ano que passa a acumulação vai sendo cada vez maior, prevê-se que em 2050 haverá mais plástico do que peixe nos oceanos. Preocupante?

 

Este drama é um dos grandes problemas ambientais deste século, e a realidade está bem evidente nos animais marinhos, desde as aves ao peixe que nos serve de alimento, poderão entrar na cadeia alimentar, com sérias consequências para os Humanos.

 

 

Lisboa, 08 de Junho de 2019

 

 

Share
Quercus ANCN ® Todos os direitos reservados
Alojamento cedido por Iberweb