Quercus assinala 31 Anos de existência

Prémio Quercus 2016 para Engº Armindo Jacinto e para Associação AMO Portugal

 

aniversario 01A Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza, Organização Não Governamental de Ambiente com maior intervenção à escala nacional, comemora hoje, dia 31 de Outubro, o seu 31º aniversário. Neste mesmo dia, organiza um jantar comemorativo do aniversário, onde será atribuído o Prémio Quercus 2016. O jantar decorrerá pelas 19:30 horas, no Hotel Radisson Blu, em Lisboa. No final do jantar terá lugar a cerimónia de entrega do Prémio Quercus, que este ano galardoou o Engº Armindo Jacinto, Presidente da Autarquia de Idanha-a-Nova e a AMO Portugal – Associação Mãos à Obra Portugal.

 

A Quercus tem constituído uma referência de intervenção ambiental ao longo da sua existência, com uma análise crítica e participada sobre as opções políticas e da sociedade portuguesa nos domínios do ordenamento do território, conservação da natureza, energia e alterações climáticas, recursos hídricos, resíduos e floresta, entre outros. A sua implantação regional, através de quase duas dezenas de Núcleos, permite-lhe uma ação próxima das populações e dos problemas locais, sendo o trabalho desenvolvido pela Associação, na grande maioria, assegurado por voluntários.

 

Na comemoração dos seus 31 anos de história, e através de decisão partilhada nos seus órgãos, a Quercus decidiu atribuir o Prémio Quercus 2016 ao Engº Armindo Jacinto, Presidente da Autarquia de Idanha-a-Nova e a AMO Portugal – Associação Mãos à Obra Portugal, pelo trabalho meritório que estes têm realizado na área do Ambiente, e pela sensibilização e defesa das várias causas ambientais em que se têm envolvido.

 

 

 

 

 

aniversario copiar

 

 

O Engº Armindo Jacinto, enquanto Presidente do Executivo do Município de Idanha-a-Nova, assumiu um forte compromisso, desde a realização da Agenda 21 Local concluída em 2008, na promoção do desenvolvimento social, económico e ambiental deste concelho. Para promover o desenvolvimento económico e a inovação foram criadas a Incubadora de Empresas e a Incubadora de Base Rural, de forma a orientar a captação de  novos investimentos empresariais para o concelho, bem como a sua integração. Idanha-a-Nova foi considerado o segundo concelho mais ecológico de Portugal, reunindo aqui uma das maiores áreas de produção em ambiente biológico do País, bem como diferentes projetos inovadores da economia verde, agricultura natural, permacultura, casas ecológicas, festivais ecológicos, (Boom festival, Eco festival - Salvaterra), casas de banho sustentáveis, etc.. A “Casa Sustentável Modelo Idanha” foi outro projeto ecológico idealizado pela Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, em parceria com o jornalista Jorge van  Kierken e privilegia os materiais tradicionais em conjugação com técnicas ancestrais, destacando-se estas casas pelo isolamento e conforto térmico que apresentam.

 

A AMO Portugal – Associação Mãos à Obra Portugal, fundada no dia 13 de Julho de 2010, é herdeira da organização de base do Projecto Limpar Portugal. Promove iniciativas de âmbito nacional, através de actividades de voluntariado ambiental organizadas pelas coordenações locais ou concelhias. As suas iniciativas tem enfoque na proteção da floresta autóctone das quais se destacam algumas actividades tais como o “Florestar Portugal – Reflorestação de floresta autóctone”, que se realiza em Novembro de cada ano; a “Proteção Florestal – Vigilância e Prevenção de Incêndios Florestais”, que tem como objectivos entre outros, o combate à flora exótica invasora e a prevenção à deposição ilegal de resíduos; e o “Limpar Portugal”, iniciativa que se comemora todos os anos a 20 de Março e que se desenrola localmente em ações de voluntariado ao longo do ano. O enfoque principal da AMO Portugal é a consciencialização ambiental da população portuguesa, através de iniciativas de voluntariado em prol de um melhor Ambiente.

 

 

O Prémio Quercus

 

 

14889803 1258168964203463 8068932701665731595 o

 

Este ano o prémio Quercus foi elaborado pela Woodmood !

Muita da madeira woodmood vem de construções antigas, esculpidas lentamente pelos elementos, se são usadas madeiras novas, estas são provenientes de florestas certificadas.

 

 

O Prémio Quercus foi instituído com o objectivo de distinguir entidades, empresas ou cidadãos que se evidenciem na defesa do ambiente e na promoção do desenvolvimento sustentável:

 

- Em 2004, primeiro ano em que o Prémio Quercus foi atribuído nos moldes actuais, a “Plataforma Nunca Mais” foi a distinguida em reconhecimento do excelente trabalho desenvolvido em sequência do desastre ocorrido com o petroleiro “Prestige”, em Novembro de 2002, que contaminou de forma extensa o mar e a costa da Galiza, ameaçando também o território Português.

 

- Em 2005 o Prémio foi atribuído a Gonçalo Ribeiro Telles e José Sá Fernandes pelo empenho na defesa do ambiente e de um adequado ordenamento do território.

 

- Em 2006 a Câmara da Chamusca e o Eng. Gomes Pedro foram os distinguidos, respectivamente pela forma exemplar como desenvolveu o processo de participação pública na discussão da instalação de um CIRVER (Centro Integrado de Recuperação, Valorização e Eliminação de Resíduos Perigosos) e por toda uma vida dedicada ao estudo e preservação da flora, quer em Portugal, com um trabalho extenso desenvolvido sobre a vegetação da Arrábida, quer no continente Africano.

 

- Em 2007 o galardoado pelo Prémio Quercus foi o programa BIOSFERA, produzido para a RTP pela Farol de Ideias, pela forma exemplar como manteve as questões de ambiente em discussão ao longo de um período em que outros temas, nomeadamente económicos e sociais, ganhavam importância nos media portugueses.

 

- Em 2008 a Junta de Freguesia da Ericeira foi distinguida com o Prémio Quercus por ter vindo a demonstrar, através de um conjunto alargado de projectos, o seu empenho e a sua insistência em ser um contributo para a minimização dos problemas ambientais, juntamente com, a título póstumo, o Dr. José Cardoso da Rocha, reputado Cirurgião-Pediatra, por ter sido um dos pioneiros da Agricultura Biológica em Portugal.

 

- Em 2009 o Prémio Quercus foi atribuído ao Engenheiro Silvicultor e Arquitecto Paisagista António Facco Viana Barreto pela sua longa carreira dedicada ao ordenamento do território e por ter sido o ideólogo de instrumentos jurídicos essenciais nessa área, juntamente com, a título póstumo, Veríssimo de Freitas da Silva Borges, Biólogo e ambientalista, pelo contributo de toda uma vida à causa ambiental revelando-se um dos mais activos dirigentes da Quercus e, no contexto açoriano, uma das vozes mais insistentes na defesa dos valores ambientais.

 

- Em 2010, foram distinguidos com o Prémio Quercus, Carlos Pimenta, Engenheiro Electrotécnico, e Luísa Schmidt, Socióloga e Investigadora, o primeiro galardoado destacando-se por ter deixado uma marca de competência e determinação na promoção da sustentabilidade aquando da sua passagem pela governação de Portugal, entre 1983 e 1987, como Secretário de Estado do Ambiente e a segunda galardoada pela promoção da análise social acutilante das questões ambientais e da sustentabilidade, através de projectos de investigação e divulgação destas temáticas junto da sociedade portuguesa.

 

- Em 2011, o Prémio Quercus foi atribuído ao Parque Biológico de Gaia e a Viriato Soromenho-Marques, o primeiro pelos quase 30 anos de trabalho em prol do Ambiente, nomeadamente ao nível da Educação Ambiental em Portugal e o segundo, pela intensa actividade ligada à defesa do ambiente que desenvolve desde 1978, destacando-se no seu percurso a coordenação científica do Programa Gulbenkian Ambiente.

 

- Em 2012, a Quercusgalardoou com o Prémio Quercus o Professor Doutor Raimundo Quintal e a Herdade do Freixo do Meio, ex-aequo, o primeiro galardoado destacando-se por numerosos artigos nas áreas da Ecologia, Biogeografia e Educação Ambiental e por uma intervenção cívica em prol das questões ambientais e a segunda galardoada pelo seu desenvolvimento centrado no desempenho de funções sociais de forma compatível com o funcionamento do nosso planeta, onde se destacam as várias culturas que pratica em Modo de Produção Biológico.

 

- Em 2013, o galardoado com o Prémio Quercus foi o Professor Doutor Eugénio Sequeira, pela sua longa carreira como professor e investigador, onde se destaca o trabalho no combate à desertificação e na gestão responsável da Floresta, assim como pelo trabalho meritório que desenvolveu como dirigente associativo, sobretudo ao serviço da Liga para a Protecção da Natureza.

 

- Em 2014, o Prémio Quercus foi atribuído ao Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR, pelo importante trabalho realizado ao nível da prevenção, vigilância e deteção de incêndios florestais e outras agressões ambientais, assim como pela colaboração activa em ações de formação, sensibilização, informação e educação em matéria ambiental.

 

- Em 2015, a Quercusgalardoou com o Prémio Quercus, o Professor Filipe Duarte Santos, professor catedrático de Física na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e que dedica sobretudo à investigação nas Ciências do Ambiente e em especial às Mudanças Globais e Alterações Climáticas,  ex-aequo com o projecto Vale da Sarvinda, situado na zona o Tejo Internacional e que tem a ambição de fixar pessoas à terra, sendo auto-suficiente no que respeita à produção de alimento, energia e rendimento.

 

 

Lisboa, 31 de Outubro de 2016

A Direção Nacional da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

Share
Quercus ANCN ® Todos os direitos reservados
Alojamento cedido por Iberweb