Seca mostra que Portugal precisa de mais renováveis que não a grande hídrica. Quercus preocupada com grande aumento de emissões devido ao uso de carvão

A Quercus fez análise dos dados de produção e consumo de eletricidade entre janeiro e julho de 2012 e comparou com o período homólogo de 2011, com base nos dados disponibilizados pela Redes Energéticas Nacionais (REN)

 

Portugal está sujeito a uma enorme variabilidade climática com incidência no recurso à produção de eletricidade a partir de fontes renováveis (em particular à hídrica). Este fato, acrescido de algumas condições específicas de mercado foram determinantes nos primeiros sete meses de 2012, onde o peso das energias renováveis caiu 15%, de 51,8% para 36,8%, por comparação com o período homólogo de 2011.

 

Carvão barato e CO2 barato levam a enorme aumento das emissões; preços baixos da eletricidade no mercado internacional levam quase ao quadruplicar da importação – saldo importador é já de 18%

 

Nos primeiros sete meses deste ano verificou-se um enorme aumento do recurso ao carvão na produção de eletricidade: a central térmica de Sines teve um aumento de 72%, enquanto a central do Pego registou um aumento de 152%, também em relação ao período homólogo de 2011. 

 

Esta é uma consequência da queda dos preços do carvão nos mercados mundiais que se regista desde há pouco mais de um ano, resultado da exploração e oferta cada vez maior de gás de xisto nos Estados Unidos. Apesar das centrais a carvão apresentarem baixos níveis de eficiência energética e elevadas emissões de dióxido de carbono (CO2) por kWh produzido, o elevado excedente de licenças de emissão de CO2 à escala europeia, resultante da crise económica, traduz-se num preço do carbono cerca de três vezes abaixo do que seria expectável, o que diminui também os custos de utilização destas centrais. As implicações são, a duplicação das emissões de dióxido de carbono, principal gás responsável pelo aquecimento global, para cerca do dobro em relação a igual período em 2011. Em termos absolutos foram emitidas mais 3 milhões de toneladas de CO2 associadas à utilização de carvão, apesar de nas contas finais da produção elétrica o aumento ser de 2,2 milhões de toneladas.

 

Outros dois dados importantes que também se devem reter são por um lado a redução do consumo de eletricidade da ordem de 3,2% (4,2% se se considerar um correção relacionada com os dias feriados e o clima), em relação ao período homólogo de 2011, claro resultado do abrandamento da atividade económica. Por outro, o saldo importador de energia elétrica teve um aumento de 364%, representando 18% do total do consumo, ao contrário de 2011 em que representava 4%.

 

Portugal precisa de maior aposta em renováveis que não a grande hídrica - Barragens tiveram queda de 63% na produção. Renováveis em regime especial tiveram ligeiro aumento.

 

Sabe-se que as alterações climáticas terão como consequência em Portugal períodos de seca cada vez mais intensos e frequentes. A enorme variabilidade associada à produção elétrica hídrica, que não acontece com as outras formas de energia como a eólica, a solar ou a biomassa, tenderá assim a agravar-se, mostrando que  a aposta nas barragens não é o melhor caminho para  um objetivo consistente de atingir 100% de produção de eletricidade renovável em 2050, já decidido por outros países, e que a Quercus tem defendido para Portugal.

 

Nos primeiros sete meses verificou-se uma queda de 63% na produção de eletricidade a partir da grande hídrica, em comparação como período homólogo de 2011, sendo que entre 2010 e 2011 já se tinha verificado uma redução da produção de 27,3%. De notar ainda que o índice de produtibilidade hidroelétrica passou de 1,00 para 0,34 entre 2001 e 2012 (primeiros sete meses), o índice de produtibilidade eólica manteve praticamente o seu valor (nos 1,03).

 

Lisboa, 9 de agosto de 2012

 

A Direcção Nacional da

Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

 

 

 

Share

Quercus TV

 

Espreite também a Quercus TV.

 

 

Quercus ANCN ® Todos os direitos reservados
Alojamento cedido por Iberweb