A Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza analisou os dados definitivos relativos às emissões de gases de efeito de estufa (GEE) de Portugal no ano de 2007, recentemente disponibilizados no sítio Internet da Convenção das Nações Unidas para as Alterações Climáticas.

 

Em 16 de Março a Quercus tinha emitido um comunicado com base nos valores provisórios, mas verificou-se que os valores definitivos entretanto publicados mostram uma situação um pouco pior.

 

No ano de 2007 as emissões de gases de efeito de estufa atingiram cerca de 81,8 milhões de toneladas (sem se considerar o uso do solo, alteração de uso do solo e floresta). Tal significa uma emissão per capita de aproximadamente 8,2 toneladas/ano. Os dados de 2007 definitivos apontam para 38% de emissões de GEE acima de 1990, 11% acima do limite fixado pelo Protocolo de Quioto.

 

Os valores de 2007 apresentam um decréscimo de emissões em relação a 2006 de aproximadamente 2,8 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente, ou seja, uma redução de 4,8% em relação ao ano base de 1990 e de 3,4% em relação ao ano anterior.

 

Os dados agora divulgados continuam a mostrar a dificuldade de Portugal em cumprir o Protocolo de Quioto, cuja meta de 27% de aumento de emissões em relação a 1990, está já em vigor desde Janeiro de 2008 e tem de ser respeitada para o período 2008-2012.

 

Os factos mais salientes relacionados com esta diminuição são os seguintes:

 

- 2007 foi um ano mais seco que 2006 (o total da produção de electricidade de origem hídrica foi inferior em 1100 GWh); porém, a produção de electricidade de origem eólica aumentou exactamente na mesma ordem de grandeza, 1100 GWh, sendo que o total de electricidade renovável aumentou 200 GWh entre 2006 e 2007;

 

- verificou-se uma redução de emissões de 2,4 milhões de toneladas na produção de electricidade à custa principalmente do uso de centrais térmicas mais eficientes (ciclo combinado a gás natural), em detrimento do recurso ao carvão – as emissões da central térmica de Sines decresceram 1,5 milhões de toneladas (menos 17% em relação a 2006);

 

- o clima ameno durante 2007 permitiu que o aumento do consumo de electricidade fosse de apenas 0,4% em relação a 2006;

 

- o sector dos transportes, apesar do aumento significativo de preços de gasóleo e gasolina, sofreu um decréscimo de emissões de apenas 250 mil toneladas de dióxido de carbono (menos 1,3% que em 2006).

 

De acordo com o último relatório de monitorização do Programa Nacional para as Alterações Climáticas (PNAC), em 45 medidas, apenas 9 estavam conformes ou a superar o previsto. A Quercus tem vindo a insistir na incapacidade de implementação de muitas acções do PNAC para a redução das emissões no país, em particular na área do transporte rodoviário, com uma política que continua a passar pela construção de mais estradas e auto-estradas e favorecimento claro do automóvel, em detrimento de uma mobilidade mais sustentável para passageiros e mercadorias.

 

 

Lisboa, 10 de Maio de 2009

 

A Direcção Nacional da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

 

 

 

Share
No mês passado Outubro 2018 Próximo mês
D S
week 40 1 2 3 4 5 6
week 41 7 8 9 10 11 12 13
week 42 14 15 16 17 18 19 20
week 43 21 22 23 24 25 26 27
week 44 28 29 30 31

Quercus TV

 

Espreite também o nosso Canal no VIMEO.

Quercus ANCN ® Todos os direitos reservados
Alojamento cedido por Iberweb