Dia Mundial da Floresta | Quercus propõe programa de reflorestação com espécies autóctones ao longo dos 130 000 hectares da faixa de contenção do Nemátodo do Pinheiro

No âmbito do combate ao Nemátodo do Pinheiro, o Ministério da Agricultura está a criar uma faixa de contenção fitossanitária sujeita a corte raso de pinhal bravo que se estende desde Odemira no Alentejo até ao vale do Tejo, chegando até Santarém e Vila Franca de Xira, numa extensa área de 130 000 hectares. 

 

Considerando a necessidade de minimizar os impactes ambientais associados a esta medida e tendo em conta a mais valia da promoção das espécies nacionais, algumas de grande relevância económica como o Sobreiro, a Quercus propôs ao Ministério da Agricultura a adopção para esta área de um programa de reflorestação com espécies autóctones.

pastedGraphic.pdf

A adopção de espécies autóctones bem adaptadas aos solos e clima, algumas delas bastante resistentes ao fogo, em detrimento de espécies de rápido crescimento como o eucalipto, seria um importante contributo para a melhoria da floresta portuguesa. Por outro lado, a ocupação das zonas onde o pinhal está a ser removido e o adensamento de outros tipos de floresta permitiria evitar a regeneração natural do pinheiro e tornar esta faixa mais eficaz na contenção do Nemátodo.

 

A praga do Nemátodo do Pinheiro

 

Surgiu em 1999 na Península de Setúbal uma nova doença do pinhal provocada pelo Nemátodo da Madeira do Pinheiro (Bursaphelenchus xylophilus), organismo que apresenta um elevado potencial de mortalidade em pinheiros, quando estes são inoculados por um insecto vector, o Longicórnio do Pinheiro (Monochamus galloprovincialis), situação que coloca em risco o pinhal bravo nacional. No seguimento do aparecimento desta doença, foi criado o Programa Nacional de Luta Contra o Nemátodo do Pinheiro (PROLUMP), na tentativa de erradicar o Nemátodo.  

 

Como não se controlou o foco inicial do Nemátodo, o que era fundamental para erradicar a doença com menores custos económicos e ambientais, foi criada uma Faixa de Contenção Fitossanitária com 3 Km de largura. Esta faixa entretanto já teve que ser alargada, a qual abrange uma área de cerca de 130 000 hectares do território em vários concelhos desde Odemira no Alentejo, ao vale do Tejo chegando até Santarém e Vila Franca de Xira. O objectivo desta faixa é tentar reduzir a probabilidade de dispersão do Nemátodo da Madeira do Pinheiro, tendo os proprietários de remover todos os pinheiros (excepto o Pinheiro manso o qual não é afectado), causando uma intervenção fortemente agressiva na paisagem florestal, com elevados impactes ecológicos e ambientais devido à destruição do ecossistema. É extremamente difícil executar integralmente este enorme corte raso com brevidade, o que associado também à dificuldade de fiscalização e controlo integral de madeira contaminada que sai da Zona de Restrição, assim como a possibilidade de insectos vectores poderem passar a Faixa de Contenção Fitossanitária, são situações que colocam em causa a eficácia desta acção.

 

Todavia, como existe o risco de propagação do Nemátodo para Norte com a contaminação de vastas áreas de pinhal bravo, parece ficar justificada esta forte intervenção fitossanitária sobre a floresta, na tentativa da contenção deste problema.

 

A Quercus comemora o Dia da Floresta

 

A Quercus, através dos seus Núcleos Regionais, comemora em vários locais do país este Dia Mundial da Floresta realizando acções de educação e sensibilização ambiental para a importância da nossa floresta.

 

Lisboa, 20 de Março de 2007

 

 

 

Share

Quercus TV

       

 

Espreite também a Quercus TV.

 

 

Quercus ANCN ® Todos os direitos reservados
Alojamento cedido por Iberweb