Quercus preocupada com a infestação de jacintos de água no estuário do rio Cávado

 jacintosA Quercus está preocupada com a grande quantidade de jacintos de água que está a invadir as margens do rio Cávado. Esta não é a primeira vez que este rio é atacado por esta espécie, o que se traduz em graves consequências para a qualidade da água e para a flora e fauna local.

 

Os jacintos de água são caracterizados por apresentarem um crescimento rápido quando se reúnem as condições adequadas e podem até duplicar a sua população em poucos dias. Outra das características que favorecem a invasão é a facilidade como se reproduzem quer por via vegetativa quer por via seminal.

 

Esta planta não é autóctone, sendo originária da América do Sul e foi introduzida na Europa por questões ornamentais tendo aparecido em Portugal nos anos 30. A sua beleza escondia os seus malefícios, e prova disso é a sua larga proliferação no rio Cávado, que compromete a sobrevivência da restante flora e fauna.

 

Estas plantas invasoras criam uma forma de tapete que muitas vezes cobre totalmente a superfície da água. Esse tapete faz com que a luz incidente seja reduzida, diminuindo assim a qualidade da vida aquática, levando em muitos casos à eutrofização.

 

Para além do impacte no ecossistema, causam ainda impedimento à navegação e o entupimento de canais, dificultando o uso piscícola e recreativo do rio.

 

A invasão no rio pode ser justificada pelo calor que se fez sentir nestes últimos meses, pois permitiu que as condições ideias de crescimento se proporcionassem, e daí a planta se ter desenvolvido de forma tão eficaz e rápida.

 

 

  Esposende     Barcelos 2   Fão 2       

 

 

A Quercus lembra que o controlo de espécies exóticas invasoras, como o jacinto de água, exige uma gestão bem planeada, onde se inclua a determinação da área invadida, a avaliação dos impactes e a definição das prioridades de intervenção. A contínua monitorização é fundamental, de forma a verificar a eficácia e a recuperação da área intervencionada.

 

Assim, a Quercus solicita ao Ministério do Ambiente e ao Instituto de Conservação da Natureza e Florestas que preceda a ações de combate continuadas para  a erradicação desta infestante.

 

Lisboa, 24 de Setembro de 2015

Share
Quercus ® Todos os direitos reservados
Site criado por PTWS Alojamento Web e WebDesign