REACH | Política europeia de Químicos entra em vigor. Mas representará de facto uma mudança?

No dia 1 de Junho de 2007 entra em vigor uma nova política europeia para as substâncias químicas (REACH – Regulação, Avaliação e Autorização de substâncias químicas) que pretende dar início a uma nova era no que diz respeito ao controlo das substâncias químicas que circulam no mercado europeu.

 

Contudo, a falta de coragem dos nossos políticos terá como consequência que químicos de enorme impacto na saúde humana continuarão a chegar até nós através dos produtos que consumimos no dia-a-dia.

 

Prós e contras do Regulamento REACH

Actualmente, mais de 90% das substâncias existentes não foi testada quanto aos seus impactos para a saúde humana e o ambiente. O Regulamento REACH pretende, ao longo dos próximos 12 anos, substituir por alternativas mais seguras químicos que são persistentes e bioacumulativos ao mesmo tempo que as empresas terão que disponibilizar informação ligada às áreas da saúde e da segurança para os químicos que produzem ou importem para a Europa em volumes elevados. 

 

Contudo, a falta de coragem do Conselho e do Parlamento Europeus na aprovação da versão final do Regulamento implicará que milhares de químicos escaparão à obrigação de providenciar informação sobre a sua segurança. De facto, químicos cancerígenos, mutagénicos ou tóxicos para a reprodução continuarão a ser autorizados e utilizados na produção de bens de consumo.

 

A legislação REACH prevê inúmeras revisões ao longo da sua vigência. Estas revisões darão à Comissão Europeia e aos Estados-membros a oportunidade de colmatar as falhas agora existentes. Resta saber se será este o caminho privilegiado.

 

A situação portuguesa

A Quercus procurou saber até que ponto Portugal está preparado para enfrentar este desafio. Das informações recolhidas é possível perceber que pouco ou nada foi feito até ao momento, não estando ainda clarificada a distribuição das competências inerentes à aplicação do Regulamento, isto quando faltam poucos dias para a sua entrada em vigor.

 

É importante compreender que a aplicação deste regulamento é um desafio para os Estados, para os cidadãos e para as organizações que os representam, mas é principalmente um desafio para as empresas que produzem e utilizam as substâncias que estarão sujeitas ao regulamento. 

 

Neste contexto, parece-nos fundamental que a passagem de informação sobre este tema seja facilitada, o que sem uma estrutura formal conhecida, contactável e disponível poderá ser muito difícil de acontecer.

 

A Quercus manter-se-á atenta à aplicação desta legislação em Portugal e às revisões previstas, e procurará que Portugal possa assumir um papel mais positivo do que o assumido até agora, na defesa dos interesses dos cidadãos e do ambiente.

 

 

Lisboa, 31 de Maio de 2007

 

 

 

Share

Quercus TV

 

Espreite também o nosso Canal no VIMEO.

Quercus ® Todos os direitos reservados
Site criado por PTWS Alojamento Web e WebDesign